Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Menina segura brinquedo em local destruído por ataque aéreo em Ghouta 6/10/2017 REUTERS/Bassam Khabieh

(reuters_tickers)

BEIRUTE (Thomson Reuters Foundation) - As imagens assustadoras de um bebê morrendo por desnutrição na região oriental de Ghouta, na Síria, destacaram a necessidade de obtenção de mais alimentos para as crianças que ficaram famintas na guerra civil do país, que já dura seis anos, advertiram agências da ONU nesta quarta-feira.

As fotos de uma menina de um mês de idade tratada em uma clínica na cidade de Hamouria, controlada por rebeldes, nos arredores de Damasco, foram amplamente compartilhadas na imprensa e nas mídias sociais. O bebê teria morrido no domingo por desnutrição e outros problemas de saúde.

Sua morte ocorreu após outra criança ter morrido em Ghouta por desnutrição no sábado, de acordo com o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

O Unicef, agência da ONU para a infância, disse que atualmente acredita-se que mais de 1.100 crianças estejam sofrendo com desnutrição severa na região de Ghouta, uma área rural densamente povoada que está bloqueada por forças do presidente Bashar al-Assad desde 2013.

A porta-voz da Unicef Juliette Touma afirmou que se o auxílio não puder ser levado à região de Ghouta, em breve mais pessoas ficarão à beira da inanição.

"Uma ligação direta entre o conflito, a violência e a luta contínua levou a situação a se tornar sombria para as crianças ... É uma imagem bastante horrível", disse Touma à Thomson Reuters Foundation falando por telefone em Amã.

O Unicef e o Programa Mundial de Alimentos da ONU estiveram em Ghouta oriental no mês passado, transportando comida e assistência médica para cerca de 25 mil pessoas, mas disseram que não era suficiente.

(Por Heba Kanso)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters