Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Michelle Martin

BERLIM (Reuters) - O chefe de gabinete da chanceler alemã Angela Merkel afirmou neste domingo que o comportamento da Turquia é "inaceitável" e que a Alemanha tem o dever de proteger seus cidadãos e empresas, embora também queira manter fortes laços com Ancara.

As relações entre os aliados da Otan se deterioraram desde que a Turquia prendeu seis ativistas de direitos humanos, incluindo um alemão, há duas semanas, como parte de uma repressão mais ampla desde o fracassado golpe do ano passado contra o presidente Tayyip Erdogan.

"Queremos ter boas relações com este país grande e importante, mas isso só é possível se a Turquia se manter como um Estado sob o domínio da lei", disse Peter Altmaier ao jornal Bild am Sonntag.

"O comportamento da Turquia é inaceitável", disse Altmaier ao ser questionado sobre a decisão de Ancara de impedir a visita de parlamentares alemães a soldados de uma base na Turquia, a prisão de alemães e comentários recentes de Erdogan sobre a Alemanha.

A tensão entre os dois países já estava alta devido à prisão de um jornalista turco-alemão e a retirada das tropas alemãs de uma base aérea turca.

Berlim quer a libertação do ativista alemão Peter Steudtner e da jornalista Deniz Yucel, pois não vê motivo aparente para as prisões e o governo está aproveitando todas as oportunidades para obter acesso consular aos detidos, conversar com o governo turco e com Erdogan, disse Altmaier.

O governo alemão está monitorando os acontecimentos no país e, caso seja necessário, decidirá sobre as sanções, disse ele.

Nos últimos dias, a Alemanha aumentou a pressão sobre a Turquia, ameaçando com medidas que poderiam dificultar o investimento alemão no país.

No sábado, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, procurou tranquilizar os três milhões de imigrantes turcos na Alemanha com uma carta publicada no jornal Bild, na qual afirmava que eles não eram alvo de mudanças na política no país.

A grande maioria dos alemães está descontente com a política alemã em relação à Turquia, segundo mostra uma pesquisa da Emnid para o jornal Bild am Sonntag. Cerca de 76 por cento disseram que o governo não estava se defendendo o suficiente contra Erdogan, enquanto 12 por cento discordavam.

A Alemanha emitiu um alerta aos cidadãos que viajam para a Turquia, informando que o fazem por conta e risco. A pesquisa da Emnid, publicada neste domingo, também mostra que 49 por cento dos alemães acreditam que não podem mais passar férias na Turquia, contra 44 por cento que acreditam que podem.

Segundo o chefe de comércio exterior da Câmara de Comércio da Alemanha (DIHK) ao jornal Welt am Sonntag, as tensões bilaterais crescentes criam incertezas para as empresas alemãs e isso, provavelmente, reduzirá o volume de comércio em cerca de 2 bilhões de euros (2,3 bilhões de dólares).

Reuters