Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Prédios destruídos no distrito de al-Kalasa, na cidade síria de Aleppo. 02/02/2017 REUTERS/Omar Sanadiki

(reuters_tickers)

ASTANA (Reuters) - As negociações sobre a crise na Síria envolvendo Rússia, Irã e Turquia, que começariam em Astana, capital do Cazaquistão, nesta quarta-feira, foram adiadas em um dia, informou o Ministério das Relações Exteriores cazaque sem dar um motivo para o atraso.

Rebeldes sírios ameaçaram nesta semana boicotar as negociações, acusando a Rússia de fracassar em fazer com que o governo da Síria cumprisse completamente com um cessar-fogo e adotasse medidas para construir a confiança.

No entanto, uma autoridade rebelde que participou da rodada anterior de conversas em Astana em janeiro disse nesta quarta que uma pequena delegação, incluindo representantes legais e militares, vai participar para discutir o plano de cessar-fogo estabelecido no mês passado.

Uma autoridade não identificada do Ministério da Defesa da Rússia disse à agência de notícias Interfax que as delegações terão reuniões bilaterais nesta quarta antes de um encontro maior de todas as partes na quinta, que deve produzir um documento conjunto.

O Cazaquistão, um aliado político próximo a Moscou, disse na semana passada que as negociações de dois dias, para as quais o enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Síria, Staffan de Mistura, também foi convidado, estarão focadas em consolidar o cessar-fogo.

As delegações do governo da Síria e dos rebeldes sírios que participaram da rodada anterior de negociações em Astana se recusaram a realizar encontros diretos entre si e a assinar qualquer documento naquela ocasião.

Uma nova rodada de negociações de paz apoiadas pela ONU deve começar em Genebra na semana que vem.

(Reportagem de Olzhas Auyezov)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters