Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Moradores caminham em local destruído por incêndio em Santa Rosa, na Califórnia 12/10/2017 REUTERS/Jim Urquhart

(reuters_tickers)

Por Noel Randewich

SONOMA, EUA (Reuters) - Os bombeiros alcançaram progressos nesta sexta-feira no combate aos incêndios florestais devastadores no coração da região do vinho da Califórnia, nos Estados Unidos, mas disseram que o número de 32 mortos deveria aumentar, pois centenas de pessoas ainda estão desaparecidas.

Apesar de os bombeiros terem feito avanços suficientes para que as autoridades comecem a contemplar a volta das pessoas a algumas áreas, eles estavam se preparando para outra onda de ventos e tempo quente e seco, o que poderia alimentar o fogo.

"Estamos trabalhando duro, de forma aplicada. Nós encorajamos os homens para ir lá e assegurar principalmente a parte sul desses incêndios em preparação para esse forte vento norte”, disse Bret Gouvea, vice-chefe do Departamento de Floresta e Proteção ao Fogo da Califórnia, à imprensa.

Ele afirmou que planos de contingência estavam sendo feitos para outras comunidades no caso de o fogo se espalhar.

A cidade de Calistoga enfrenta uma das maiores ameaças. Os seus mais de 5.000 moradores, que receberam ordens para deixar as suas casas na quarta-feira à noite, continuam fora do local.

Na tarde desta sexta, alguns dos 17 grandes incêndios que atingem o norte da Califórnia se fundiram e se tornaram na maior parte incontroláveis, tendo queimado uma área de combinada de 221.754 acres de vegetação seca.

As 32 mortes confirmadas representam a maior perda de vidas num único incidente com fogo na Califórnia, três a mais do que no incêndio de Griffith Park, em 1933, em Los Angeles.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters