Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais dentro da escola Tocqueville, em Grasse, onde houve um incidente com tiros. 16/03/2017 REUTERS/Eric Gaillard

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Ao menos três pessoas ficaram feridas durante um incidente com tiros em uma escola de ensino médio de Grasse, pequena cidade do sul da França, nesta quinta-feira, e um adolescente de 17 anos foi preso portando um fuzil, pistolas e granadas, informaram o Ministério do Interior e fontes da polícia.

"O indivíduo não parece ser conhecido da polícia", disse uma fonte da corporação.

Uma segunda fonte disse que, aparentemente, dois alunos atiraram no diretor da escola, que ficou ferido, acrescentando que os suspeitos não pareciam ser militantes.

"Um dos dois foi preso e o segundo fugiu. Houve pânico e os alunos se refugiaram no supermercado (vizinho)", afirmou a fonte.

O porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, disse à rádio France Inter que três pessoas ficaram machucadas e aconselhou as famílias a serem pacientes enquanto a polícia assumia o controle para estabilizar a situação. Mais cedo ele havia dito à BFM TV que oito pessoas foram feridas.

O porta-voz disse que está sendo verificada a possibilidade de ter havido um segundo agressor. O incidente ocorreu com o país ainda em estado de emergência, uma reação aos vários ataques de militantes ao longo do último ano, e a menos de seis semanas de uma eleição presidencial durante a qual a segurança e o medo do terrorismo têm sido temas de destaque.

Um aluno que foi testemunha ocular do ataque e que foi entrevistado pela France Inter disse que os estudantes ouviram um estouro e se abrigaram debaixo das mesas.

"Eu fui fechar as janelas e vi um cara que me olhou nos olhos. Ele parecia ser um aluno, e não muito grande. Ele atirou para o alto e saiu correndo", contou o aluno, sem se identificar.

Pelo Twitter, os serviços de emergência locais instruíram os moradores a ficar em casa. O governo chegou a lançar um alerta de ataque "terrorista" por meio de um aplicativo de celular.

(Por Emmanuel Jarry, Sophie Louet e John Irish)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters