Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rex Tillerson durante audiência de confirmação para se tornar secretário de Estado dos EUA 11/01/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Patricia Zengerle e Yeganeh Torbati

WASHINGTON (Reuters) - O escolhido pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, para ser secretário de Estado, Rex Tillerson, afirmou nesta quarta-feira ser a favor de manter as atuais sanções norte-americanas contra a Rússia por agora e que aliados da Otan estavam certos em se mostrarem alarmados com a crescente agressividade de Moscou.

Contudo, o apoio de Tillerson por uma política mais forte em relação à Rússia do que Trump tem defendido foi amenizado pela sua recusa em se comprometer com a manutenção da ordem executiva do presidente Barack Obama que autoriza sanções adicionais contra Moscou por causa da interferência nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA.

Tillerson, ex-presidente e executivo-chefe da empresa de petróleo Exxon Mobil, que tinha extensos negócios com a Rússia, se recusou de chamar o presidente Vladimir Putin de um criminoso de guerra e manteve a porta aberta para possíveis mudanças na política de sanções dos EUA contra os russos, dizendo que não havia visto informações confidenciais sobre a interferência russa.

"Eu deixaria as coisas no status quo para que nós possamos comunicar que isso pode ir por um ou por outro caminho”, declarou Tillerson durante a sessão de confirmação do Senado, interrompida esporadicamente por manifestantes contrários a sua nomeação.

Ele disse mais tarde: “Eu recomendaria manter o status quo até que possamos nos engajar com a Rússia e entender melhor quais são as suas intenções”.

Tillerson afirmou em outros momentos da sessão que sanções norte-americanas prejudicavam negócios do país no exterior.

Algumas das respostas de Tillerson podem vir a tranquilizar republicanos céticos e democratas preocupados com que Trump, que assume o poder no dia 20, atue de acordo com o seu objetivo declarado de melhorar as relações com a Rússia, revogando todas, ou algumas, sanções contra Moscou.

Tillerson declarou que era uma “suposição justa” a possibilidade de Putin ter conhecimento sobre os esforços russos para interferir nas eleições norte-americanas.

Sobre outros temas polêmicos, Tillerson disse que recomendaria uma “revisão plena” do acordo nuclear com Irã firmado pelos EUA e outras potências mundiais, mas não defendeu uma rejeição total do acordo de 2015, pelo qual Teerã aceitou reduzir o seu programa nulcear em troca de alívio nas sanções econômicas.

Trump tem feito declarações contraditórias sobre o acordo nuclear e, num determinado momento, ameaçou desmantelá-lo.

Tillerson também foi questionado sobre mudanças climáticas, a resposta da China aos testes de mísseis norte-coreanos, e se ele seria capaz de decidir de forma imparcial após uma a longa carreira na Exxon Mobil.

Bob Corker, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, disse esperar que o Senado controlado pelos republicanos confirme com folga Tillerson, de 64 anos.

Reuters