Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

JACARTA (Reuters) - A Indonésia bloqueou nesta sexta-feira o acesso ao serviço de mensagens codificadas Telegram, citando preocupações de que o aplicativo está sendo usado para disseminar "propagandas radicais e terroristas" no país que tem a maior população muçulmana do mundo.

A decisão ocorre em meio a maiores preocupações com a crescente presença e influência do Estado Islâmico no Sudeste Asiático conforme o grupo radical perde território na Síria e Iraque.

A própria Indonésia viu um ressurgimento na militância doméstica, inspirada em grande parte pelo Estados Islâmico. Um atentado suicida com bomba em uma estação de ônibus em maio matou três policiais e feriu vários outros. O país aumentou a cooperação antiterrorismo com a Malásia e as Filipinas.

"Isso precisa ser feito porque há muitos canais neste serviço que estão cheios de propagandas radicais e terroristas, ódio, formas de fazer bombas, como realizar ataques, imagens perturbadoras, que estão em conflito com a lei indonésia", declarou o Ministério de Comunicações, sem dizer se o bloqueio se estenderá para outros aplicativos de mensagens.

(Por Agustinus Beo Da Costa)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters