Reuters internacional

THIBANIYA, Iraque (Reuters) - As inundações deixaram todas as pontes sobre o Tigre com acesso a Mosul ocidental instransitáveis, cortando as fontes de ajuda e as rotas de fuga para as pessoas que fugiam da parte islâmica da cidade iraquiana.

Sem acesso às pontes, centenas de civis atravessaram o rio subindo em pequenos barcos de madeira no domingo, alguns carregando bebês e com malas de viagem ou sacos cheios de roupas.

Estas eram algumas das cerca de 400 mil pessoas ainda na área ocidental de Mosul onde as forças militares iraquianas estão tentando desalojar Estado Islâmico da Cidade Velha.

As pontes permanentes de Mosul sobre o rio Tigre foram destruídas durante a luta, mas o exército construiu duas pontes pequenas que permitiram que as pessoas fugissem para a segurança no leste, e que a ajuda chegasse até um campo para os que estavam na parte ocidental.

No entanto, desde que as pontes foram fechadas na sexta-feira, nenhum comboio de ajuda chegou ao acampamento de Hammam al-Alil, na região sudoeste de Mosul, o principal ponto de chegada para os deslocados que fogem da luta, disse um oficial da ONU.

Não ficou claro se as pontes ficaram submersas ou danificadas pelas inundações, mas soldados bloqueando as estradas de aproximação disseram que estavam inutilizáveis.

"As inundações tiveram um grande impacto, todo o tráfego rodoviário parou", disse um representante de Hammam al-Alil, lar de cerca de 30 mil deslocados.

"Temos poucos suprimentos disponíveis."

O acampamento, como outras instalações na região ocidental de Mosul, é abastecido por estrada a partir de Erbil, cerca de 80 quilômetros a leste, na região autônoma do Curdistão iraquiano, onde as agências de ajuda são baseadas.

(Por Ulf Laessing)

Reuters

 Reuters internacional