Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MOSUL, Iraque (Reuters) - O iraquiano colocou gentilmente o corpo de sua esposa, envolto em um sudário negro, na proa de um pequeno barco de madeira e segurou-o enquanto um segundo homem remou lentamente para pegar os três filhos do homem que estavam em pé a poucos metros de distância.

As duas adolescentes e o menino subiram, com cuidado para não perturbar o equilíbrio, para a travessia levando sua mãe, morta em um ataque aéreo esta semana, para a margem leste do rio Tigre.

Esta travessia, no entanto, não é um rito antigo. É uma dificuldade extra para a família pela inundação do Tigre e o desmantelamento da última ponte ligando os dois lados de Mosul, onde as forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos têm lutado para expulsar os militantes do Estado Islâmico que tomaram a cidade em 2014.

Levando desde roupas a alimentos para parentes feridos ou mortos, centenas de famílias esgotadas pela guerra têm sido vistas atravessando o rio em barcos de pesca pequenos e raquíticos capazes de levar apenas cinco ou seis pessoas.

Muitos saíram do distrito de Musherfa, no oeste de Mosul, depois que forças iraquianas apoiadas pelos EUA a retiraram do Estado Islâmico na sexta-feira, na esperança de alcançar a relativa segurança das margens orientais do rio.

"Nós sofremos a injustiça do Estado Islâmico, e agora que estamos livres, nos prometeram cinco pontes", disse Mushref Mohamed, 45 anos, um trabalhador de fábrica de gelo de Musherfa. "Onde estão as pontes? Esperamos dois dias."

"Muitos dos meus vizinhos e amigos morreram, fomos libertados, mas não somos felizes porque perdemos as pessoas mais próximas de nós".

A inundação cortou todos os pontos de passagem entre o leste e o oeste e forçou os militares a desmantelar as pontes improvisadas que ligam os dois lados da segunda maior cidade do Iraque.

(Reportagem de Ahmed Aboulenein)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters