Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião com presidente de Israel, Reuven Rivlin, em Jerusalém. 22/05/2017 REUTERS/Atef Safadi

(reuters_tickers)

DUBAI (Reuters) - O Irã acusou os Estados Unidos nesta segunda-feira de vender armas para "terroristas perigosos" no Oriente Médio e de propagar "iranofobia" para encorajar Estados árabes a comprar armas, informou uma TV estatal iraniana.

"Mais uma vez, por meio de suas alegações repetitivas e sem fundamento sobre o Irã, o presidente norte-americano... tentou encorajar os países da região a comprar mais armas ao propagar iranofobia", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Bahram Qassemi, um dia depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, terminar uma visita ao principal inimigo de Teerã, a Arábia Saudita, onde acordos de armamento de quase 110 bilhões de dólares foram assinados.

Enviando uma mensagem dura à Teerã logo após a reeleição do pragmático Hassan Rouhani como presidente, Trump pediu que líderes árabes e islâmicos se unam para derrotar militantes islâmicos, e disse que o Irã tinha por décadas "alimentado o fogo de conflitos e terrores sectários".

Qassemi disse que Washigton está "reanimando terroristas na região por meio de suas políticas hostis" e que "deve parar se vender armas para terroristas perigosos".

Ele disse que os Estados Unidos e seus aliados "devem saber que o Irã é um país democrático, estável e poderoso" e que promove "paz, boa vizinhança e a criação de um mundo oposto à violência e ao extremismo".

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin em Londres)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters