Reuters internacional

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião com presidente de Israel, Reuven Rivlin, em Jerusalém. 22/05/2017 REUTERS/Atef Safadi

(reuters_tickers)

DUBAI (Reuters) - O Irã acusou os Estados Unidos nesta segunda-feira de vender armas para "terroristas perigosos" no Oriente Médio e de propagar "iranofobia" para encorajar Estados árabes a comprar armas, informou uma TV estatal iraniana.

"Mais uma vez, por meio de suas alegações repetitivas e sem fundamento sobre o Irã, o presidente norte-americano... tentou encorajar os países da região a comprar mais armas ao propagar iranofobia", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Bahram Qassemi, um dia depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, terminar uma visita ao principal inimigo de Teerã, a Arábia Saudita, onde acordos de armamento de quase 110 bilhões de dólares foram assinados.

Enviando uma mensagem dura à Teerã logo após a reeleição do pragmático Hassan Rouhani como presidente, Trump pediu que líderes árabes e islâmicos se unam para derrotar militantes islâmicos, e disse que o Irã tinha por décadas "alimentado o fogo de conflitos e terrores sectários".

Qassemi disse que Washigton está "reanimando terroristas na região por meio de suas políticas hostis" e que "deve parar se vender armas para terroristas perigosos".

Ele disse que os Estados Unidos e seus aliados "devem saber que o Irã é um país democrático, estável e poderoso" e que promove "paz, boa vizinhança e a criação de um mundo oposto à violência e ao extremismo".

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin em Londres)

Reuters

 Reuters internacional