Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

TEERÃ (Reuters) - Cinco pessoas foram condenadas à morte e outras 81 a penas de até 15 anos de prisão por causa dos distúrbios que se seguiram à polêmica eleição presidencial de junho no Irã, disse a rádio estatal Irib na terça-feira.
Citando nota da corte provincial de Teerã, a emissora disse que os condenados à morte eram ligados a "grupos contrarrevolucionários" e que cabe recurso.
Os réus não foram identificados, e não ficou claro se são as mesmas pessoas às quais se referia uma entidade local de direitos humanos que denunciou nesta semana condenações à morte no país.
Alegando irregularidades em prol do presidente conservador Mahmoud Ahmadinejad, políticos e ativistas reformistas saíram às ruas depois da eleição de junho, na pior crise interna do Irã desde a Revolução Islâmica de 1979.
As autoridades negaram as acusações de fraude e reprimiram duramente os manifestantes, acusando-os de estarem a serviço de governos estrangeiros. Milhares de pessoas foram detidas, e mais de cem foram levadas a julgamento. A oposição criticou os processos judiciais, que já resultaram em diversas penas de prisão.
"Até agora os veredictos foram emitidos para 89 casos, dos quais cinco receberam a sentença de execução por causa da sua afiliação ou participação em grupos contrarrevolucionários', disse a nota judicial de terça-feira.
Houve também 81 réus condenados a penas que variam de seis meses a 15 anos, e três sentenças de prisão com direito a sursis.
O tribunal disse ter divulgado a nota para "evitar a difusão de rumores sem base e irreais a respeito da maneira de emitir os veredictos".
Em outubro, a agência de notícias Isna disse que três pessoas haviam sido condenadas à morte por causa dos distúrbios pós-eleitorais e de supostas ligações com grupos oposicionistas no exílio, entre eles a Organização Mujahideen Popular do Irã, grupo monarquista que é considerado terrorista tanto pelos EUA quanto pelo Irã.
A alta comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, pediu no mês passado ao tribunal de recursos do Irã que reveja com atenção as três condenações à morte previamente anunciadas.
A oposição diz que mais de 70 pessoas morreram nos distúrbios pós-eleitorais. As autoridades dizem que o número real é de aproximadamente metade disso, e inclui também membros da milícia islâmica Basij, leal ao governo.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters