Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LONDRES (Reuters) - O enviado do Irã junto à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) disse neste sábado que a Arábia Saudita e a Rússia tomaram o mercado de petróleo como "refém", no momento em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tenta impor novas sanções às exportações de petróleo iraniano.

Os EUA querem cortar as exportações de petróleo do Irã para zero até novembro, e estão encorajando produtores como a Arábia Saudita, outros países-membros da Opep e a Rússia a produzirem mais para atenderem ao déficit.

"A Rússia e a Arábia Saudita alegam que buscam equilibrar o mercado global de petróleo, mas estão tentando assumir parte da fatia do Irã", disse Hossein Kazempour Ardebili, segundo a Shana, agência de notícias do Ministério do Petróleo iraniano.

"Os esforços de Trump para cortar o acesso do Irã ao mercado global de petróleo levaram a Rússia e a Arábia Saudita a tomarem o mercado como refém", afirmou.

Kazempour Ardebili disse à Reuters na sexta-feira que os Estados Unidos terão dificuldades para cortar completamente as exportações de petróleo do Irã, já que o mercado de petróleo já está apertado e os produtores rivais não podem compensar o déficit.

Neste sábado ele acusou Moscou e Riad de usarem as sanções contra o Irã para seu próprio benefício, e advertiu que tais ações prejudicariam a credibilidade da Opep.

Sob pressão de Trump para baixar os preços do petróleo, a Opep e aliados concordaram em junho em aumentar a produção, após um acordo de corte de fornecimento que estava em vigor desde 2017.

Embora a produção da Opep tenha aumentado desde então, a Arábia Saudita adicionou menos petróleo do que inicialmente indicado ao mercado global.

(Reportagem de Bozorgmehr Sharafedin)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters