Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Parisa Hafezi
TEERÃ (Reuters) - O Irã disse na quarta-feira que não enviará o urânio enriquecido produzido ao exterior para processamento, mas admitiu a possibilidade de trocá-lo por combustível nuclear e mantê-lo sob supervisão dentro do país, disse a agência de notícias ISNA.
A decisão deve irritar os Estados Unidos e seus aliados, que exortaram a República Islâmica a aceitar o acordo, que despojaria o governo iraniano da maior parte de seu urânio enriquecido. O objetivo era retardar em ao menos um ano a capacidade potencial do Irã de produzir bombas nucleares.
O acordo preliminar selado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) pedia que o Irã enviasse por volta de 75 por cento do urânio de baixo enriquecimento que produz à Rússia e à França para que seja transformado em combustível de um reator de pesquisa médica de Teerã.
"Não enviaremos nosso combustível ao exterior, mas podemos analisar a possibilidade de trocá-lo simultaneamente por combustível nuclear dentro do Irã", afirmou o ministro das Relações Exteriores iraniano, Manouchehr Mottaki, à agência de notícias ISNA.
Os EUA haviam rejeitado os pedidos iranianos para emendas sobre o acordo. O presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou que o tempo para a diplomacia resolver o impasse sobre o programa nuclear do Irã estava acabando .
Mottaki criticou os EUA por pressionarem o Irã a aceitar o acordo. "A diplomacia não é branco ou preto. Pressionando o Irã para aceitar o que querem é uma abordagem não-diplomática", disse.
Rússia e França, ambas envolvidas no acordo do combustível da AIEA, também pressionaram o Irã a aceitá-lo da forma em que está. Agora Teerã enfrenta possíveis sanções internacionais e corre o risco de uma ação militar israelense para destruir suas instalações nucleares.
O Irã afirma que precisa da tecnologia nuclear para gerar energia, mas o histórico do país de sigilo nuclear e de restrição às inspeções da ONU gerou desconfiança no Ocidente de que ele possa estar tentando desenvolver, secretamente, bombas atômicas.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters