Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líderes da Guarda Revolucionária do Irã marcham durante desfile militar em Teerã 22/09/2011 REUTERS/Stringer

(reuters_tickers)

Por Bozorgmehr Sharafedin

LONDRES (Reuters) - O Irã prometeu nesta segunda-feira dar uma resposta "esmagadora" se os Estados Unidos designarem a força militar de elite do país, a Guarda Revolucionária, como um grupo terrorista.

A promessa foi feita uma semana antes de o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciar sua decisão final sobre a maneira como quer conter Teerã. Trump tem até o dia 15 de outubro para retirar a certificação de um acordo internacional histórico de 2015 para conter o programa nuclear iraniano, uma medida que poderia anular o acordo.

Também existe a possibilidade de Trump qualificar a força de segurança mais poderosa do Irã, a Guarda Revolucionária, como uma organização terrorista ao divulgar uma estratégia mais abrangente para o regime.

"Estamos esperançosos de que os Estados Unidos não cometerão este erro estratégico", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Bahram Qasemi, segundo a agência estatal de notícia Irna, em uma coletiva de imprensa.

"Se eles o fizerem, a reação do Irã será firma, decisiva e esmagadora e os Estados Unidos arcarão com suas consequências", acrescentou.

Indivíduos e entidades associados à Guarda Revolucionária já estão em uma lista de organizações terroristas estrangeiras de Washington, mas não a organização como um todo.

Seu comandante, Mohammad Ali Jafari, disse no domingo que "se estiver correta a notícia sobre a estupidez do governo americano ao considerar a Guarda Revolucionária um grupo terrorista, a Guarda Revolucionária considerará o Exército americano como se fosse o Estado Islâmico em todo o mundo".

Jafari também disse que sanções adicionais acabariam com as chances de um diálogo futuro com os EUA e que os norte-americanos teriam que colocar suas bases regionais fora dos dois mil quilômetros de alcance dos mísseis da Guarda.

O porta-voz da chancelaria também negou acusações norte-americanas segundo as quais o Irã cooperou com a Coreia do Norte.

Em uma entrevista televisionada na noite de sábado, Trump acusou o Irã de "financiar a Coreia do Norte" e de "fazer coisas com a Coreia do Norte que são totalmente impróprias".

Qasemi classificou as acusações de "infundadas".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters