Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

VIENA (Reuters) - O Irã quer discutir mais a proposta nuclear preliminar apresentada pela ONU, incluindo garantias de que irá receber o combustível para o reator, disse o enviado de Teerã à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na segunda-feira.
O Irã deu a entender que quer mudanças básicas na proposta, pela qual vai enviar grande parte de seu urânio de baixo enriquecimento (LEU, na sigla em inglês) ao exterior para processamento. Quando o LEU tiver se transformado em um combustível refinado, será devolvido para alimentar um reator de pesquisas de Teerã.
A proposta -- apoiada por Rússia, França e EUA - visa a reduzir o estoque iraniano de LEU abaixo da quantidade mínima que poderia ser utilizada para a fabricação de uma bomba nuclear.
Mas o embaixador iraniano Ali Asghar Soltanieh disse à Reuters que são necessárias mais discussões "a fim de garantir que nossas preocupações técnicas, e principalmente a questão da garantia de fornecimento de combustível, sejam levadas em consideração".
"Estamos prontos para a próxima rodada de discussões técnicas em Viena na sede da AIEA", disse, acrescentando que a AIEA agora deveria estabelecer uma data adequada.
Soltanieh deu a resposta inicial do Irã à AIEA sobre a proposta na sexta-feira, depois de negociações em Viena entre 19 e 21 de outubro.
"Estamos prontos para comprar o combustível de qualquer fornecedor sob o âmbito de salvaguardas e da vigilância da AIEA", disse Soltanieh.
Diplomatas ocidentais dizem que o Irã também pediu para receber combustível para o reator de Teerã antes de enviar seu urânio de baixo enriquecimento ao exterior.
Eles dizem que as exigências iranianas são inaceitáveis porque a proposta dessa forma não diminuiria a capacidade do Irã de fabricar uma arma atômica se quisesse.
(Reportagem de Sylvia Westall)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters