Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Fredrik Dahl e Hashem Kalantari
TEERÃ (Reuters) - O Irã vai realizar testes simulados de defesa aérea em larga escala na semana que vem para ajudar a proteger suas instalações nucleares contra qualquer tipo de ataque, disse neste sábado um alto comandante militar a uma agência de notícias iraniana.
O general Ahmad Mighani, chefe das forças de defesa aérea, também indicou que o Irã poderia produzir por si próprio um sistema avançado de defesa antimísseis que até agora a Rússia não entregou ao país, conforme fora acertado entre os dois países. Estados Unidos e Israel não querem que o Irã possua esse sistema.
O Irã acredita que a demora da Rússia em lhe entregar os mísseis S-300 de longo alcance é resultado da pressão israelense, e não de problemas técnicos citados pelo governo russo, declarou Mighani.
"Esperamos que a Rússia ignore a pressão do lobby sionista," disse o general Mighani, segundo a agência semi-oficial de notícias Fars News. O Irã se refere a Israel como "regime sionista."
As manobras militares vão começar no domingo e envolverão a Guarda Revolucionária, unidade militar de elite, e as Forças Armadas regulares contra um inimigo hipotético, informou a mídia iraniana.
Os Estados Unidos e Israel não descartam a possibilidade de ação militar se a diplomacia não conseguir resolver a disputa sobre as atividades nucleares iranianas, que os Ocidente suspeita que tenham como objetivo a produção de bombas atômicas.
O Irã diz que seu programa nuclear tem como única meta a geração de eletricidade e ameaça reagir, atingindo Israel e as bases dos Estados Unidos no Golfo Pérsico, se for atacado.
"As manobras de defesa aérea desta semana terão a intenção de proteger as instalações nucleares do país," disse Mighani, segundo a agência Fars.
O Irã costuma com frequência realizar exercícios de defesa e anunciar avanços nos equipamentos militares para mostrar que está preparado a reagir contra quaisquer ameaças a seu programa nuclear.
Segundo a agência de notícias estatal Irna, as manobras ocorrerão no oeste do país e serão "imensas."
Nas últimas semanas as autoridades iranianas vêm expressando crescente frustração com o não cumprimento da entrega dos S-300 pela Rússia. O governo russo está sob forte pressão do Ocidente para que se distancie do Irã na questão do programa nuclear e não vem cumprindo as promessas de entregar os S-300.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters