Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Aseel Kami
BAGDÁ, 25 de novembro (Reuters) - O governo do Iraque lançou seu primeiro canal no site de vídeos do Google, YouTube, nesta quarta-feira para rebater "mentiras" da mídia e mostrar sucessos do país, afirmou o primeiro-ministro.
Nuri al-Maliki afirmou que o canal do YouTube ajudará a desmentir as "mentiras e informações enganosas veiculadas na imprensa" que não refletem o progresso do país. Seu governo, liderado pelos muçulmanos xiitas, busca se reeleger nas eleições nacionais do começo de 2010.
O novo canal não permite comentários de usuários.
A imprensa iraquiana tem gozado de uma liberdade sem precedentes desde que o ditador sunita Saddam Hussein foi deposto após a invasão norte-americana no país, em 2003.
Mas uma recente leva de ações judiciais abertas contra veículos locais e estrangeiros que criticam Maliki, seu mandato e seu governo, além de um novo regulamento de radiodifusão e medidas para censurar livros e a Internet, tem gerado receio de uma maior repressão.
Poucos iraquianos têm acesso à Internet em casa, e nos poucos lugares onde há acesso, a baixa velocidade da conexão dificulta a exibição de vídeos.
A medida do governo segue uma visita do presidente-executivo do Google, Eric Schmidt, a Bagdá no dia anterior, onde anunciou que publicaria imagens de artefatos do museu nacional do Iraque na Internet, como parte de medida encorajada pelo governo norte-americano para atrair empresas ao Iraque.
Em comunicado divulgado na terça-feira, a embaixada dos Estados Unidos no Iraque afirmou que o canal do YouTube incluirá trechos de sessões parlamentares, mensagens de líderes iraquianos a seus cidadãos e vídeos de instrução sobre como participar de serviços do Estado.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters