Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MOSUL/ERBIL, Iraque (Reuters) - Os iraquianos se prepararam neste domingo para comemorar a esperada vitória contra o Estado Islâmico em Mosul, com as batalhas acontecendo nos últimos distritos em que os militantes estão escondidos.

Soldados amarraram bandeiras brancas e do Iraque em postes e prédios danificados, incluindo o minarete Hadba, que os jihadistas explodiram em junho junto com a mesquita Grand al-Nuri, enquanto ataques aéreos e morteiros explodiam por perto.

Foi no púlpito de al-Nuri que o líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, declarou seu califado três anos atrás.

Autoridades estão planejando uma semana de comemorações em todo o país, de acordo com um comunicado do governo, e o primeiro-ministro, Haider al-Abadi, deve visitar Mosul para declarar a vitória formalmente.

A queda de Mosul marca o final efetivo da parte iraquiana do califado que o Estado Islâmico declarou três anos atrás em regiões do Iraque e da Síria. O grupo ainda controla territórios a oeste e ao sul de Mosul, onde dezenas de milhares de civis moram.

Soldados de elite do Serviço Contra Terrorismo (CTS) retomaram o distrito de Makawi, parte da Cidade Antiga de Mosul, neste domingo, afirmou o exército em comunicado, a apenas alguns quarteirões das margens ocidentais do rio Tigre. Alcançar o rio dará às forças iraquianas o controle de toda a cidade, o que deve acontecer até o final desta semana.

O Estado Islâmico removeu o que restou de suas estruturas de comando e controle para Mayadin, no leste da Síria, disseram forças de inteligência dos EUA no mês passado, sem indicarem se Baghdadi também estava se escondendo na mesma área.

(Por Khaled al-Ramahi e Stephen Kalin; reportagem adicional por Maher Chmaytelli)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters