Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem retirada de um vídeo publicado em uma rede social, dito filmado no dia 27 de abril de 2017, mostra explosões e chamas supostamente em Damasco, na Síria. Rede social via Reuters

(reuters_tickers)

Por Suleiman Al-Khalidi e Angus McDowall

AMÃ/BEIRUTE (Reuters) - Israel atacou um centro de armazenamento de armas operado pelo grupo libanês Hezbollah perto do aeroporto de Damasco nesta quinta-feira, informaram rebeldes sírios e fontes de inteligência da região, tendo como alvo armas enviadas do Irã por meio de aviões de carga comerciais e militares.

Vídeos exibidos na televisão libanesa e compartilhados em redes sociais mostram que os ataques aéreos feitos durante a madrugada causaram um incêndio ao redor do aeroporto que fica ao leste da capital síria, sugerindo que fontes de combustível ou armas com explosivos foram atingidas.

A mídia estatal síria disse que os mísseis de Israel atingiram uma posição militar ao sudoeste do aeroporto, mas não mencionou armas ou combustível. A mídia afirmou que a "agressão de Israel" causou explosões e algumas perdas materiais, mas não detalhou os danos.

Israel não costuma comentar as ações do país na Síria. Entretanto, o ministro da Inteligência Israel Katz, em entrevista à rádio do Exército concedida durante viagem aos Estados Unidos, aparentemente confirmou o envolvimento.

"O incidente na Síria corresponde completamente com a política de Israel de agir para prevenir o contrabando do Irã de armas avançadas por meio da Síria para o Hezbollah", disse Katz.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, havia dito que "em qualquer momento que nós recebermos inteligência que indica uma intenção de transferir armas avançadas para o Hezbollah, nós vamos agir", acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters