Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Combatentes rebeldes disparam morteiros contra forças leais ao governo sírio 24/06/2017 REUTERS/Alaa Al-Faqir

(reuters_tickers)

JERUSALÉM (Reuters) - Israel informou ter atacado uma posição militar síria nesta quarta-feira, após um projétil de morteiro do confronto da guerra civil síria cair nas Colinas de Golã controladas por Israel.

O Exército israelense informou que o projétil atingiu uma área aberta no norte das Colinas de Golã, sem causar ferimentos, e, em resposta, o Exército “selecionou como alvo a posição militar síria que lançou o morteiro”.

    O ataque israelense ocorreu no vilarejo de Samadanieh al Sharqiyah, na província de Quneitra, próxima ao território onde rebeldes têm travado confrontos intensos com o Exército sírio durante a última semana, relataram a emissora libanesa al Mayadeen e o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

    O morteiro caiu enquanto o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, visitava Katzrin, uma cidade na outra parte das Colinas de Golã, a cerca de 20 quilômetros da área que tem sofrido a maior parte dos recentes ataques errantes vindo da Síria.

    “Enquanto eu estava falando, eu disse aqui que não iremos tolerar tiroteios errantes e iremos responder a todos os ataques. Durante meu discurso, houve um ataque errante do lado sírio que caiu em nosso território e o Exército já atacou”, disse Netanyahu.

“Quem nos atacar, iremos atacar. Esta é nossa política e iremos continuar a implementá-la.”

Houve um aumento desse tipo de fogo no confronto na Síria atingindo as Colinas de Golã nos dias recentes. Em todas as ocasiões, Israel respondeu atacando posições militares sírias.

(Reportagem de Ori Lewis e Suleiman al-Khalidi)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters