Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Nidal al-Mughrabi e Maayan Lubell

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - O exército israelense informou neste domingo ter destruído um túnel de ataque transfronteiriço que ia de Gaza até Israel e Egito, cavado pelo Hamas, grupo islâmico que controla o enclave Palestino.

Moradores de Gaza disseram que jatos israelenses bombardearam uma área ao leste da cidade de Rafah, nas fronteiras com Egito e Israel, na noite de sábado.

Israel confirmou o ataque imediatamente após, mas não deu detalhes até domingo. Não houve comentário imediato do Hamas ou do Egito nem qualquer relato de casualidades.

As tensões cresceram desde que o presidente Donald Trump reverteu décadas de política norte-americana em 6 de dezembro ao reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Militantes de Gaza lançaram 18 foguetes ou bombas de morteiros transfronteiriços, sem causar mortes ou graves feridos em Israel, e 15 manifestantes e dois homens armados foram mortos pelo fogo israelense.  

Os ataques de Gaza, pelos quais Israel culpa grupos não afiliados ao Hamas, atraíram ataques aéreos de Israel, geralmente com alvos que haviam sido evacuados.

"Existem aqueles que dizem que o exército de Israel ataca dunas de areia - isso é incorreto", disse a jornalistas o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre críticas de deputados que pediram por respostas mais fortes, após o túnel ser alvejado.

Netanyahu alertou o Hamas que Israel "irá responder com força ainda maior" caso os ataques de foguetes continuem. Israel afirmou que o Hamas, como força dominante em Gaza, carrega a responsabilidade geral por quaisquer ataques do enclave.

No entanto, Yoav Galant, membro do gabinete de segurança de Netanyahu, afirmou à Army Radio que Israel "não está procurando confronto com o Hamas". Todavia, ele afirmou que Israel "não poderia tolerar uma situação na qual israelenses são feridos pelo fogo (de Gaza)".

O coronel Jonathan Conricus, porta-voz do exército de Israel, descreveu o alvo atacado no sábado como um "túnel do terror" com 1,5 quilômetros de extensão passando pela fronteira Kerem Shalom, que cruza Israel e o Egito.

"Também pode ter servido para transferir terroristas da Faixa de Gaza para o Egito, para atacar alvos israelenses do Egito", disse Conricus.

Kerem Shalom, principal ponto de passagem para bens entrando em Gaza, foi fechado no sábado antes do ataque israelenses. Os túneis subterrâneos são usados para contrabandear todos os tipos de bens comerciais para Gaza, e levar armas para militantes do Hamas e outros grupos. Eles também têm sido usados pelo Hamas para lançar ataques dentro de Israel.

Durante a última guerra de Gaza, em 2014, combatentes do Hamas usaram dezenas de túneis para atacar as forças superiores de Israel. O exército israelense afirmou ter destruído três túneis nos últimos dois meses.

Israel vem construindo um muro subterrâneo equipado de sensores ao longo da fronteira de Gaza de 60 quilômetros, visando completar o projeto de 1,1 bilhão de dólares em meados de 2019.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters