Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Crianças em meio aos destroços de apartamento da família na Faixa de Gaza. 12/08/2014 REUTERS/Siegfried Modola

(reuters_tickers)

Por Nidal al-Mughrabi e Maayan Lubell

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Negociações para encerrar uma guerra entre Israel e militantes islâmicos em Gaza, que já dura mais de um mês, não tiveram progresso até agora, disse uma autoridade israelense nesta terça-feira, enquanto um cessar-fogo de 72 horas no enclave palestino era mantido pelo segundo dia. 

Negociadores israelenses e palestinos devem se reunir no Cairo, onde o Hamas e seus aliados estão buscando colocar um fim ao bloqueio israelense e egípcio à Faixa de Gaza.

“As lacunas entre os lados são grandes e não há progresso nas negociações”, disse uma autoridade israelense que não quis ser identificada. Não houve comentário imediato do Hamas, o grupo islâmico que domina Gaza.

Um representante palestino com conhecimento das negociações disse à Reuters, sob condição de anonimato: “Até agora não podemos dizer que um avanço foi alcançado... 24 horas e veremos se vamos ter um acordo”.

O Hamas também quer uma abertura para um porto marítimo ao Mediterrâneo para a empobrecida Gaza, um projeto que, segundo Israel, deve ser tratado apenas em conversas futuras sobre um acordo de paz permanente com os palestinos. 

Israel tem resistido em levantar o bloqueio econômico sobre Gaza e suspeita que o Hamas irá se reabastecer de armas do exterior se tiver um acesso facilitado ao território costeiro. O Egito, vizinho de Gaza, também vê o Hamas como uma ameaça à segurança. 

Israel retirou suas forças terrestres de Gaza na semana passada após ter dito que o Exército completou seu objetivo principal, que era destruir mais de 30 túneis cavados por militantes para realizar ataques em território israelense.

O Estado judaico agora quer garantias de que o Hamas não utilizará suprimentos de reconstrução enviados para o enclave para reconstruir esses túneis.

O representante palestino disse que a delegação havia concordado que a reconstrução em Gaza deveria ser realizada pelo governo de unidade, mais técnico, composto em junho pelo Hamas e pelo mais moderado Fatah, do presidente Mahmoud Abbas, que fica na Cisjordânia. 

Representantes israelenses não estão se reunindo pessoalmente com a delegação palestina porque ela inclui o Hamas, considerado por Israel como uma organização terrorista. O Hamas, por sua vez, prega a destruição de Israel. 

Hospitais de Gaza disseram que 1938 palestinos, a maioria deles civis, foram mortos desde 8 de julho, quando Israel lançou uma campanha militar para parar os disparos de foguetes e morteiros, vindos do enclave, contra suas cidades. 

Israel perdeu 64 soldados e três civis.

Reuters