Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MILÃO (Reuters) - A Itália expulsou um tunisiano que pode ter ligações com o homem que matou 12 pessoas em Berlim, quando dirigiu um caminhão em um movimentado mercado de Natal, disse no domingo o Ministério do Interior italiano.

O tunisiano, morador de Latina, próximo a Roma, foi identificado em investigações iniciadas após o ataque de 19 de dezembro em Berlim, disse o Ministério em um comunicado.

O homem de 37 anos era o dono de um telefone cujo número foi encontrado entre os contatos de Anis Amri, segundo as autoridades.

Amri matou 12 pessoas quando dirigiu um caminhão por um mercado de Natal em Berlim. Ele foi morto em um tiroteio com a polícia perto de Milão em 23 de dezembro.

Amri chegou à Itália de barco em 2011 e passou quase quatro anos na cadeia antes de ser expulso do país em 2015.

O número de telefone do tunisiano também estava ligado a um perfil no Facebook, apontando seu apoio à ideologia jihadista e às conexões com pessoas que apoiam o Estado Islâmico, disse o Ministério.

O Ministério disse que a Itália expulsou 153 pessoas suspeitas de extremismo religioso desde janeiro de 2015.

Reuters