Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Philip Pullella

ROMA (Reuters) - A Itália colocou o Vaticano em sua "lista branca" de Estados com instituições financeiras cooperativas nesta terça-feira, encerrando anos de desconfiança e endossando os esforços feitos pelo papa Francisco para sanar o setor bancário da cidade-estado.

A lista inclui países com os quais a Itália tem arranjos sobre a troca de informações financeiras e fiscais, assim como outros países-membros da União Europeia.

    A atualização foi formalizada em um decreto publicado no Diário Oficial do governo.

    O Vaticano é um Estado soberano no centro de Roma cujas atividades financeiras o Banco da Itália encarou com receio durante décadas.

    Em julho, o Banco da Itália e a Autoridade de Informações Financeiras do Vaticano assinaram um acordo de cooperação que permitiu às autoridades monitorarem as transações entre entidades financeiras italianas e o Vaticano.

    A inclusão na lista branca vem na esteira de mais de cinco anos de reformas, iniciadas nos tempos do papa Bento 16 e fortalecidas por Francisco, para adequar o Vaticano e seu problemático banco aos padrões internacionais, garantir a transparência e combater a lavagem de dinheiro.

    Durante muito tempo organizações financeiras criticaram o Vaticano por oferecer um paraíso fiscal para italianos bem relacionados ao permitir que mantivessem contas no banco do Vaticano, conhecido formalmente como Instituto para as Obras da Religião (IOR).

    Francisco fez da reforma financeira um dos pilares de seu papado, e sob seu comando o IOR fechou milhares de contas de pessoas com pouca ou nenhuma ligação com o Vaticano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters