Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Equipes de resgate trabalham com escavadeira no local de avalanche na Itália. 24/01/2017 Soccorso Alpino Speleologico Lazio/Handout via

(reuters_tickers)

PENNE, Itália (Reuters) - Equipes de resgate retiraram os últimos corpos dos destroços de um hotel no centro da Itália que foi arrasado por uma avalanche há uma semana, matando 29 pessoas, comunicou a brigada nacional de incêndio nesta quinta-feira.

Com a descoberta dos corpos de um homem e uma mulher na noite de quarta-feira, todos os que conhecidamente estavam no Hotel Rigopiano quando o prédio foi atingido já foram localizados.

Onze pessoas sobreviveram ao desastre, que aconteceu na esteira de fortes tempestades de neve e vários terremotos intensos no dia 18 de janeiro. Nove delas, incluindo quatro crianças, tremiam ao ser extraídas depois de passar dias sob a construção desmoronada.

"Quando conseguimos tirar os sobreviventes, isso nos deu esperança e energia", disse o funcionário da agência de proteção civil Luigi D'Angelo em uma base de operações na vizinha Penne.

"Jamais perdemos a esperança, do início ao fim, até termos procurado o último centímetro do hotel".

Os membros das equipes de resgate usaram picaretas e equipamentos pesados de remoção de terra para afastar a neve e os escombros e abrir caminho no teto de concreto reforçado.

Procuradores iniciaram uma investigação sobre a tragédia, que segundo o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, irá estabelecer se alguém teve culpa.

Muitos hóspedes queriam partir antes de a parede de neve se abater sobre o local, mas foram impedidos de fazê-lo porque a estrada de acesso já estava bloqueada.

O partido opositor Movimento 5-Estrelas criticou os cortes no financiamento do governo local e o descarte de uma força policial rural, e disse que o sistema nacional de prevenção e reação a emergências estava mal preparado.

(Por Antonio Denti e Roberto Mignucci em Penne e Isla Binnie em Roma)

Reuters