Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Valentina e Za

MILÃO (Reuters) - O ex-primeiro-ministro Matteo Renzi sugeriu no domingo que a próxima eleição da Itália seja realizada ao mesmo tempo que a da Alemanha, dizendo que isso faz sentido "numa perspectiva europeia".

A Alemanha vai votar em 24 de setembro. As eleições devem ser feitas na Itália em maio de 2018, mas a especulação está crescendo para que os italianos possam ir às urnas no outono.

O presidente Sergio Mattarella, o único com o poder de dissolver o parlamento, disse que as eleições só devem ser realizadas depois de o parlamento aprovar uma nova lei eleitoral para harmonizar os sistemas de votação da Câmara de Deputados e do Senado.

Renzi, líder do Partido Democrático de centro-esquerda (PD), disse em entrevista ao jornal Il Messaggero que seu partido "não pediria eleições antecipadas, mas também não tem medo delas".

Depois de recuperar a liderança de seu partido no final de abril, Renzi tem favorecido as eleições antecipadas. Ele disse a Il Messaggero que pode ser possível chegar a um acordo com um sistema de votação inspirado no modelo proporcional da Alemanha, como sugerido pelo ex-primeiro-ministro de centro-direita Silvio Berlusconi.

"Em teoria sim, mas devemos ser cautelosos", disse Renzi. "O sistema alemão seria um passo adiante na superação do impasse atual, mas não é uma solução para todos os problemas, ter uma coalizão no poder é muito arriscado".

Renzi, que renunciou ao cargo de primeiro-ministro em dezembro depois que os italianos rejeitaram sua reforma constitucional, disse na semana passada que tentaria negociar com outras bancadas parlamentares para chegar a um acordo para discutir em uma reunião executiva do PD em 30 de maio.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters