Navigation

Jato da Malásia provavelmente estava no piloto automático ao cair, diz Austrália

Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2014 - 13:01

Por Lincoln Feast

SYDNEY (Reuters) - O voo MH370, da Malaysia Airlines, muito provavelmente estava no piloto automático quando o avião caiu no Oceano Índico, mais ao sul do que anteriormente se imaginava, disseram autoridades australianas nesta quinta-feira, enquanto iniciavam a nova fase de uma busca até agora infrutífera.

A nova análise surge mais de 100 dias depois que o Boeing 777, levando 239 passageiros e tripulantes, desapareceu em 8 de março, pouco depois de decolar de Kuala Lumpur em direção a Pequim. Investigadores dizem que as poucas evidências à disposição para análise sugerem que o avião foi deliberadamente desviado para milhares de quilômetros de distância de sua rota programada, até, por fim, cair no Oceano Índico.

A busca foi reduzida para uma área menor em abril, depois que uma série de sinais acústicos que se pensava serem da caixa-preta do avião foram detectados ao longo de uma área onde analistas de dados de satélites apontaram ter sido a última localização da aeronave.

No entanto, um mês depois as autoridades concordaram que os destroços não estavam naquela área concentrada, situada a 1.600 quilômetros da costa noroeste da Austrália, e disseram que a área de busca teria de ser expandida.

"A nova área prioritária ainda se concentra no sétimo arco, onde a aeronave teve sua última comunicação com satélite. Agora estamos mudando nossa atenção para uma área mais ao sul ao longo do arco", disse à imprensa da Austrália o vice-primeiro-ministro australiano, Warren Truss.

Truss afirmou que a área foi estabelecida após uma revisão dos dados de satélites, informação inicial do radar e limites de desempenho da aeronave depois que o avião foi desviado da península malaia e seguiu em direção ao sul, rumo a uma das áreas mais remotas do planeta.

"É muito, muito provável que o avião estivesse no piloto automático, de outro modo não poderia ter seguido uma rota ordenada que foi identificada por meio dos dados acompanhados por satélites", disse Truss.

(Reportagem adicional de Matt Siegel)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.