Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Logo da construtora brasileira Odebrecht em Lima, no Peru 24/01/2017 REUTERS/Guadalupe Pardo

(reuters_tickers)

QUITO (Reuters) - Um juiz do Equador determinou na segunda-feira a prisão domiciliar de um ex-auditor fiscal do país por acusações de que teria recebido mais de 10 milhões de dólares em troca de favores a construtora Odebrecht, em um marco da investigação sobre envolvimento de autoridades locais na rede de subornos da empreiteira na região.

Carlos Pólit, que foi destituído pela Assembleia Nacional no mês passado e que se encontra atualmente nos Estados Unidos, foi acusado de receber subornos da Odebrecht para emitir relatórios favoráveis sobre projetos que a construtora desenvolvia no país andino.

"O juiz aceitou o pedido de prisão preventiva, no entanto, como o ex-auditor é uma pessoa 65 anos, a substitui por prisão domiciliar", disse a Promotoria do país em comunicado. Além disso, o magistrado ordenou a apreensão de contas bancárias e a proibição de alienar bens.

A atuação de Pólit teria ajudado a evitar multas contra a Odebrecht de cerca de 70,6 milhões de dólares entre 2010 e 2011, disse a Promotoria.

Os advogados de Pólit negaram as acusações e classificaram as evidências de ilegítimas.

(Reportagem de Alexandra Valencia)

Reuters