Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro Jungmann em simulação da marinha em preparação para os Jogos Olímpicos 21 de julho de 2016 REUTERS/Ueslei Marcelino

(reuters_tickers)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Ministro da Defesa, Raul Jungmann, está preocupado com o destino dos fuzis da Colômbia que passa por um programa de desarmamento em um processo de paz, e o governo brasileiro está alerta para que os armamentos não cruzem a fronteira com o Brasil.

Jungmann está seguindo para o país vizinho nessa segunda-feira para tratar do assunto e do patrulhamento da fronteira em uma segunda reunião com representantes dos dois países.

Jungmann disse que os colombianos já vem passando ao Brasil e demais países da região informações atualizadas sobre o processo de desarmamento. O alto comando das Forças Armadas , representantes da Polícia Federal e do Ministério da Justiça do Brasil vão participar desse encontro na Colômbia.

“É uma grande preocupação“, disse o ministro a jornalistas, em um evento no Rio de Janeiro. "Numa primeira reunião mostramos preocupação com os fuzis, que também é uma preocupação do Rio de Janeiro", acrescentou.

“Eles (colombianos) estão passando online todas as informações que estão recebendo, da expectativa que eles tinham e se ficou a maior ou a menor."

Jungmann lembrou que o crime organizado brasileiro está se nacionalizando e se internacionalizando e. Para evitar essa transnacionalização do crime, Jungmann vai se reunir também que reprensentantes de Peru e México sobre o tema.

Um outro tema do encontro será a otimização do patrulhamento na fronteira entre Brasil e Colômbia e a proposta em discussão é dividir a tarefa.

“Onde eles têm melhor posição e onde nós temos melhor posição. A ideia é duplicar e integrar o esforço”, disse Jungmann.

SEGURANÇA PARA O RIO

O ministro afirmou ainda que em breve o governo federal vai anunciar um novo plano de ajuda ao Rio de Janeiro, que vive uma crise na área de segurança, mas sinalizou que o modelo será diferente do que vinha sendo empregado até agora.

Ele destacou que a proposta agora é unificar mais as áreas de inteligência federal e estadual. Dessa forma, ele acredita que será possível se chegar aos grandes barões do tráfico de drogas.

“Vamos dar resposta ao Rio porque temos preocupação com o Rio de Janeiro… a GLO ( Garantia da Lei e da Ordem) dá sensação de segurança e é como baixar uma febre. Dá um alívio, mas não resolve os nossos problemas”, avaliou.

“Ali, quando você põe a tropa na rua o crime se retrai mas quando você sai, ele volta. Vai algo parecido em termos de articulação, coordenação e abrangência com aquilo que fizemos nas Olimpíadas. Inteligência é o central disso para atuar cirurgicamente”, adicionou.

Na semana passada, o Rio de Janeiro enfrentou um ataque coordenado por traficantes e novo ônibus e dois caminhões foram incendiados. Além disso, várias vias da cidade foram bloqueadas.

Na ocasião, mais de 40 traficantes foram presos, dois morreram e 32 fuzis foram apreendidos.

Nos últimos meses, os casos de criminalidade avançaram no Estado, que, desde o ano passado, se encontra num estado de calamidade financeira.

“O Rio de Janeiro tem que ser exemplar na nossa atuação. O Rio de Janeiro é o risco de termos o Brasil amanhã como tal”, finalizou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters