Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em encontro bilateral durante cúpula do G20 em Hamburgo, Alemanha 07/07/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

MOSCOU (Reuters) - O Kremlin acredita ser "absolutamente absurdo" descrever um encontro informal durante a cúpula do G20 entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente russo, Vladimir Putin, como uma reunião secreta ou não revelada, disseram agências de notícias russas nesta terça-feira.

Uma autoridade da Casa Branca afirmou na terça-feira que Trump e Putin tiveram uma conversa fora da agenda oficial durante um jantar para os líderes do G20 durante a cúpula deste mês na Alemanha, o que causou preocupação entre alguns políticos norte-americanos que estão descontentes com as políticas de Trump com relação à Rússia.

Todas as interações de Trump com o líder russo na cúpula foram acompanhadas de perto devido às alegações de que Moscou tentou interferir nas eleições presidenciais de 2016 para ajudar Trump a derrotar a democrata Hillary Clinton. A Rússia nega as acusações.

"O uso de um termo como 'disfarçado' ou 'encontro secreto' causa espanto", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, à TV estatal, de acordo com as agências de notícias russas.

"Eles tiveram uma reunião bilateral que foi oficialmente acertada por meio dos canais diplomáticos, depois eles repetidamente trocaram visões e afirmações nos bastidores. Não houve reunião secreta ou disfarçada, e afirmar que houve uma reunião deste tipo é absolutamente absurdo".

(Reportagem de Denis Pinchuk)

Reuters