Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chanceler líbio, Mohammed Abdel Aziz, em reunião ministerial de países vizinhos da Líbia no Cairo REUTERS/Stringer

(reuters_tickers)

Por Ulf Laessing e Ayman al-Warfalli

CAIRO/BENGHAZI (Reuters) - A Líbia quer a ajuda da comunidade internacional para proteger os campos de petróleo, aeroportos e outras instalações estatais por não ter capacidade de conter os grupos armados que lutam pelo controle desses locais, afirmou o embaixador líbio no Cairo nesta segunda-feira.

O apelo veio na esteira dos ataques de rebeldes com mísseis Grad ao aeroporto de Labraq, no leste da Líbia, um dos poucos que ainda funcionam no país, onde a violência entre facções armadas vêm aumentando três anos após a deposição de Muammar Gaddafi.

As potências ocidentais e os vizinhos da Líbia temem que o país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se torne um Estado falido ou mergulhe em uma guerra civil depois que ex-rebeldes que ajudaram a depor Gaddafi em 2011 se voltaram uns contra os outros.

As facções rivais transformaram a capital, Trípoli, e a cidade de Benghazi, a maior do leste, em campos de batalha, forçando a Organização das Nações Unidas (ONU) e as embaixadas a retirar seus funcionários e cidadãos.

Autoridades do alto escalão e o Parlamento recém-eleito se mudaram para Tobruk, no extremo leste, para fugir da violência.

"Há formas (possíveis) de intervenção internacional, já que a Líbia é incapaz de proteger suas instituições, seus aeroportos e seus recursos naturais, especialmente os campos de petróleo”, afirmou o embaixador Mohamed Jibril nos bastidores de uma reunião com os vizinhos de seu país, no Egito.

O ministro das Relações Exteriores egípcio, Sameh Shukri, disse no encontro que a Líbia precisa de um cessar-fogo de todos os grupos armados e um diálogo nacional para superar as profundas divisões.

Reuters