Navigation

Skiplink navigation

Líder de ala jovem do SPD alemão pede que partido não rompa com coalizão de governo

Kevin Kuehnert durante evento de campanha em Saarbruecken 03/12/2019 REUTERS/Ralph Orlowski reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. dezembro 2019 - 14:59

BERLIM (Reuters) - O líder influente da ala jovem do Partido Social Democrata da Alemanha (SPD) alertou nesta quarta-feira que a sigla não deveria sair do governo às pressas, uma mudança de tom notável em alguém conhecido como um cético da aliança com a chanceler Angela Merkel.

Visto por parte da mídia alemã como o poder por trás da nova liderança de esquerda do SPD, cuja eleição provocou dúvidas sobre a coalizão com os conservadores de Merkel, Kevin Kuehnert pode convencer alguns membros em uma reunião partidária crucial que começa na sexta-feira.

"Qualquer um que deixe uma coalizão cede algum controle", disse Kuehnert ao jornal Rheinische Post nesta quarta-feira.

Ele disse que os delegados presentes na conferência do partido, na qual se debaterá o futuro da coalizão, devem levar isso em consideração. "Não porque deveriam ficar assustados, mas porque as decisões devem ser refletidas até o fim", acrescentou.

Mais tarde, ele tentou conter a tempestade midiática causada por sua reviravolta, dizendo que cabe aos delegados da conferência decidir o que fazer.

"Não tenho medo de entrar em uma campanha eleitoral com o SPD nos próximos três meses se tiver que ser assim", disse ele em um vídeo publicado no Twitter. "Isso não dará errado por minha causa."

O apoio ao berlinense de 30 anos e sua ala jovem Jusos deu um grande impulso à campanha de Norbert Walter-Borjans e Saskia Esken, que venceram a disputa da liderança no sábado e querem renegociar o acordo de coalizão.

Não está claro o quão dispostos os conservadores estão para acomodar novas exigências do SPD, e se eles as recusarem, a maior economia europeia pode ter que lidar com uma eleição antecipada ou um governo de minoria.

(Por Madeline Chambers)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo