Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BERLIM (Reuters) - O líder da legenda de centro-esquerda alemã Partido Social Democrata criticou nesta terça-feira as políticas de austeridade da chanceler do país, Angela Merkel, e do ministro das Finanças, Wolfgang Schaeuble, dizendo que elas contribuíram para a ascensão de partidos populistas no continente.

Sigmar Gabriel, que é vice-chanceler, delineou suas críticas em um comunicado no qual também confirmou que não irá concorrer contra Merkel na eleição federal de setembro e alertou sua legenda para evitar uma grande coalizão de direita e esquerda.

"As políticas de Angela Merkel e Wolfgang Schaeuble sem dúvida contribuíram para as crises profundas na União Europeia desde 2008, para o isolamento de um governo alemão dominante e, por meio de uma insistência incansável na austeridade, para o alto desemprego fora da Alemanha", disse Gabriel em sua mensagem.

Ele acrescentou: "Uma consequência tem sido o fortalecimento de partidos populistas antieuropeus e o dano não somente à democracia, mas também a um bom clima de investimento".

Ele disse que os social-democratas, que estão em uma coalizão com os conservadores de Merkel, não foram capazes de fazer a chanceler mudar de rumo.

"A continuidade das políticas atuais ocorre à custa do crescimento sustentável", afirmou Gabriel. "Isto também é perigoso para a Alemanha."

(Por Joseph Nasr)

Reuters