Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Pracha Hariraksapitak e Aukkarapon Niyomyat

(Reuters) - O líder da junta militar da Tailândia disse nesta quinta-feira que a ex-primeira-ministra Yingluck Shinawatra, deposta há três anos pelos militares, está em Dubai, para onde fugiu no mês passado para evitar ser presa por má administração de um esquema de subsídios a plantadores de arroz que custou bilhões de dólares ao país.

O premiê Prayuth Chan-ocha, chefe do Exército que liderou o golpe de Estado, disse que a Tailândia buscará prender Yingluck por meio de canais diplomáticos e da cooperação policial recorrendo à Interpol.

O atual líder se pronunciou um dia depois de a Suprema Corte condenar Yingluck a 5 anos de prisão por negligência criminosa.

"Ela está em Dubai", disse Prayuth a repórteres, acrescentando que o Ministério das Relações Exteriores está rastreando os movimentos de Yingluck.

"Agora a polícia terá que prosseguir e coordenar com o Ministério das Relações Exteriores e a Interpol".

O Partido Puea Thai, do irmão de Yingluck e também ex-premiê Thaksin Shinawatra, não comentou o pronunciamento de Prayuth.

Mas uma fonte dos Emirados Árabes Unidos disse que Yingluck partiu de Dubai rumo a Londres em 11 de setembro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters