Reuters internacional

Líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, durante evento de campanha em Birmingham. 20/05/2017 REUTERS/Darren Staples

(reuters_tickers)

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - O líder do Partido Trabalhista, legenda de oposição britânica, disse nesta sexta-feira que a política externa do Reino Unido e a intervenção em guerras estrangeiras alimentaram a ameaça do terrorismo.

As declarações de Jeremy Corbyn foram feitas após o fim da suspensão da campanha eleitoral no Reino Unido devido ao ataque suicida em Manchester.

Corbyn também se comprometeu a reverter os cortes policiais da primeira-ministra Theresa May e a fornecer mais recursos às forças de segurança se for necessário, dizendo que o Reino Unido não pode economizar na proteção.

Oponentes acusaram Corbyn de explorar o ataque de segunda-feira por Salman Abedi, um britânico de pais líbios, que matou 22 pessoas, incluindo crianças, na Arena de Manchester após um show da cantora norte-americana Ariana Grande.

"Nenhum governo pode prevenir um ataque terrorista. Mas, é responsabilidade do governo minimizar essa chance, garantir que a polícia tenha os recursos que precisa, que a nossa política externa diminua ou invés de aumentar a ameaça neste país", disse em discurso em Londres.

Reuters

 Reuters internacional