Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder de principal partido oposicionista da Turquia, Kemal Kilicdaroglu, durante 19º dia de protesto contra a detenção do parlamentar do CHP Enis Berberoglu, perto de Kocaeli. 03/07/2017 REUTERS/Umit Bektas

(reuters_tickers)

Por Daren Butler

ISTAMBUL (Reuters) - O principal líder de oposição da Turquia apresentou um recurso judicial à Corte Europeia, nesta terça-feira, sobre uma votação de abril que deu amplos poderes ao presidente turco, Tayyip Erdogan, intensificando o desafio ao governo enquanto lidera uma marcha de protesto de 425 quilômetros.

Erdogan acusa os manifestantes, que marcham de Ancara a Istambul, de "agirem juntos com grupos terroristas", se referindo a militantes curdos e a seguidores de um clérigo radicado nos Estados Unidos que o governo turco diz ser responsável por uma tentativa frustrada de golpe no ano passado.

Kemal Kilicdaroglu, líder do oposicionista Partido Republicano do Povo (CHP), revidou nesta terça-feira, defendendo sua "marcha da justiça" e acusando o governo de criar um Estado de partido único após a tentativa fracassada de golpe do dia 15 de julho.

No 20º dia de sua marcha, motivada pela prisão de um membro do CHP acusado de espionagem, Kilicdaroglu enviou um recurso à Corte Europeia de Direitos Humanos contra a decisão do conselho eleitoral de aceitar cédulas de voto não carimbadas no referendo do dia 16 de abril desse ano.

(Reportagem adicional de Gulsen Solaker)

Reuters