Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder do Partido Social-Democrata da Alemanha, Martin Schulz, dá declaração na sede do partido em Berlim 27/11/2017 REUTERS/Axel Schmidt

(reuters_tickers)

Por Thomas Escritt

BERLIM (Reuters) - O líder do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), Martin Schulz, estava buscando convencer sua legenda, nesta quinta-feira, de que eles têm a obrigação de discutir a formação de um governo com a chanceler conservadora, Angela Merkel, em nome da estabilidade na Alemanha e na Europa.

A Alemanha, maior potência econômica e política da Europa, tem batalhado para formar um novo governo desde a eleição nacional do dia 24 de setembro, na qual tanto o bloco conservador de Merkel como o SPD perderam apoio, enquanto o partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD) conquistou espaço no Parlamento, dificultando as potenciais combinações de coalizão.

Merkel, com seu próprio futuro político em risco após 12 anos no poder, tem sinalizado aberturas ao partido de centro-esquerda SPD --que foi seu parceiro no governo nos últimos quatro anos-- depois que sua tentativa de formar uma coalizão com duas legendas menores fracassou.

O líder do SPD, Martin Schulz, que disse inicialmente que seu partido assumiria a posição de oposição depois de ver que seu tempo ao lado da mais recente "grande coalizão" liderada por Merkel tinha sido recompensado com grandes perdas nas urnas, agora precisa convencer sua legenda a reverter essa decisão.

Schulz pedirá aos membros do partido pelo seu apoio para iniciar conversas com os conservadores de Merkel na próxima semana, embora acredite-se que as negociações irão se estender bastante ao longo do próximo ano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters