Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BERLIM (Reuters) - O Partido Social-Democrata alemão (SPD) deve escolher seu líder Sigmar Gabriel para disputar contra a conservadora Angela Merkel o cargo de chanceler do país nas eleições federais de setembro, disseram fontes de alto escalão do partido nesta quinta-feira.

Gabriel, vice-chanceler e ministro da Economia na coalizão liderada por Merkel nos últimos quatro anos, é mais popular nas fileiras do SPD que seus antecessores, mas também tem a reputação de ser impetuoso e imprevisível.

"Não tem como escapar da candidatura de Sigmar Gabriel a chanceler neste momento", disse uma fonte de alto escalão do partido à Reuters.

"A probabilidade é muito, muito, muito alta de que Gabriel será o candidato a chanceler", disse uma segunda fonte que integra o comitê executivo do partido.

Membros do partido, no entanto, enfatizaram que nenhuma decisão deve ser tomada até o final de janeiro.

Alguns integrantes do SPD esperavam que Martin Schulz, ex-presidente do Parlamento Europeu, fosse apontado como principal candidato do partido na eleição, com pesquisas indicando que ele teria mais votos contra Merkel do que Gabriel.

Isso parece improvável, especialmente agora que o partido deve indicar Schulz como ministro das Relações Exteriores para substituir Frank-Walter Steinmeier, a quem os partidos da coalizão concordaram em eleger presidente da Alemanha em 12 de fevereiro.

Gabriel, um ex-professor de 57 anos, está atrás de Merkel nos índices de popularidade.

Uma nova pesquisa divulgada nesta quinta pela emissora de TV alemã ARD e pela Infratest Dimap mostrou o SPD ficando com 20 por cento dos votos, contra 37 por cento do bloco conservador liderado por Merkel.

(Reportagem de Holger Hansen e Madeline Chambers)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters