Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, em Teerã. 14/09/2007 REUTERS/Morteza Nikoubazl

(reuters_tickers)

BEIRUTE (Reuters) - O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, alertou nesta quarta-feira que qualquer tentativa de prejudicar a eleição presidencial de 19 de maio será tratada com severidade.

A votação se anuncia essencialmente como uma disputa entre o atual presidente iraniano, Hassan Rouhani, um pragmático que fez campanha prometendo abrir o país ao Ocidente e amenizar as restrições sociais, e seu rival linha-dura Ebrahim Raisi, que ocupou cargos de primeiro escalão no judiciário durante anos.

A eleição ocorre ao final do mandato de quatro anos de Rouhani, eleito com uma grande vantagem em 2013.

Raisi conta com o apoio de Khamenei, de acordo com analistas.

"Se as pessoas participarem com ordem, comportarem-se moralmente, observarem os parâmetros legais e islâmicos, isso será uma fonte de honra para a República Islâmica", disse Khamenei, segundo a transcrição de um discurso publicada no site oficial do Líder Supremo.

"Mas se elas violarem a lei, operarem de maneira imoral ou falarem de maneira que incentiva os inimigos, as eleições podem ser vistas como uma derrota."

Dezenas de pessoas foram mortas e centenas foram presas quando protestos generalizados irromperam após a eleição presidencial disputada de 2009 que deu um segundo mandato a Mahmoud Ahmadinejad, de acordo com grupos de direitos humanos.

"A segurança de nosso país deve ser completamente preservada durante a eleição", disse Khamenei no discurso, pronunciado diante de uma plateia que incluiu os maiores comandantes da Guarda Revolucionária, a principal força militar e econômica da nação.

"Qualquer um que se desvie deste caminho certamente deve saber que será punido."

(Por Babak Dehghanpisheh)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters