Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por William James

READING, Inglaterra (Reuters) - O líder da principal sigla de oposição do Reino Unido, o Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, irá participar de um debate ao vivo na televisão nesta quarta-feira esperando capitalizar o ímpeto de seu partido, que vem reduzindo a distância que o separa do governista Partido Conservador antes da eleição de 8 de junho.

Pesquisas realizadas desde o ataque com bomba de 22 de maio em Manchester mostraram a dianteira de May sobre os trabalhistas encolhendo, e algumas indicaram que ela pode não obter a vitória arrasadora prevista só um mês atrás.   

Corbyn havia descartado se juntar aos sete candidatos no debate, e a decisão pode refletir uma melhoria na percepção do eleitorado. A ministra do Interior britânica, Amber Rudd, deve participar do debate da rede BBC no lugar da primeira-ministra, Theresa May.

Em Reading, no oeste de Londres, Corbyn disse a apoiadores animados que sua campanha está conquistando apoio.

"Apesar de todos os comentaristas cínicos... em todo lugar que vou, por todo o país, os comícios ficam maiores, o entusiasmo fica maior, a determinação fica maior... e isso nos dá uma chance de fazer algo muito, muito especial em 8 de junho", disse.

Enquanto Corbyn vem atraindo grandes plateias, May tem evitado aparições públicas para as quais não tem discurso pronto.

Indagada várias vezes pelos repórteres, durante um evento de campanha no sudoeste inglês, por que não estará no debate, May respondeu que prefere passar o tempo se encontrando com os eleitores.

"Debates nos quais políticos discutem entre si não fazem nada pelo processo eleitoral, acho que na verdade se trata de sair e de encontrar com os eleitores e ouvir diretamente os eleitores", disse.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters