Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, e presidente do México, Enrique Peña Nieto, durante encontro em Ottawa, Canadá. 26/06/2016 REUTERS/Chris Wattie

(reuters_tickers)

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O presidente do México, Enrique Peña Nieto, e o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, conversaram por telefone na segunda-feira e concordaram em se manter em contato próximo e trabalhar mais rapidamente para aprofundar os laços entre os dois países, anunciou o governo mexicano em um comunicado.

Peña Nieto "reiterou o desejo do governo mexicano de continuar a fortalecer os laços... entre os dois povos", disse o governo.

"Os dois líderes concordaram em se manter em contato próximo e intensificar o trabalho de suas equipes para acelerar a integração de uma América do Norte mais forte e mais próspera", acrescentou.

A ligação aconteceu depois das ameaças do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retirar seu país do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta), acordado entre as três nações, se não conseguir renegociá-lo de maneira favorável aos EUA.

Autoridades norte-americanas dizem que Trump está mais concentrado nos grandes déficits comerciais dos EUA com países como o México.

Enquanto isso, autoridades canadenses vêm dizendo que irão focar na preservação das relações comerciais com Washington durante as conversas de renegociação do Nafta e que podem não conseguir ajudar o México a evitar ser um alvo do governo Trump.

Um encontro agendado entre Trump e Peña Nieto foi cancelado na semana passada depois que o presidente dos EUA disse que seria melhor o mexicano desistir da reunião se o México não estiver disposto a pagar por um muro separando os dois vizinhos.

(Por Alexandra Alper)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters