Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro das forças de segurança chuta recipiente de gás lacrimogêneo durante protesto em Caracas, Venezuela. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - Dois líderes opositores da Venezuela foram feridos na segunda-feira por forças de segurança que dispersavam manifestantes reunidos em Caracas contra o presidente Nicolás Maduro, de acordo com um dos líderes e um parlamentar da oposição.

Há dois meses os adversários de Maduro bloqueiam estradas e montam barricadas em protestos nos quais exigem que ele convoque eleições antecipadas e resolva a crise econômica cada vez mais grave que está deixando milhões de pessoas em dificuldades para conseguir alimentos.

Confrontos de rua muitas vezes violentos, que Maduro caracteriza como um esforço para derrubar seu governo, deixaram 59 mortos nas últimas semanas.

"Fomos emboscados", disse o duas vezes candidato presidencial Henrique Capriles, que acompanhou os manifestantes na tentativa de marchar até um prédio do governo, sendo barrados por forças de segurança.

"Este governo é capaz de matar ou queimar qualquer coisa", afirmou Capriles em uma coletiva de imprensa.

Capriles disse que 16 outras pessoas se feriram na marcha, acrescentando que irá fazer uma queixa junto a procuradores do Estado.

O parlamentar Jose Olivares, que é médico, tuitou uma foto de um hematoma no rosto de Capriles que disse ser resultado de um golpe que um soldado lhe aplicou com o capacete durante os embates.

Na mesma ocasião, o deputado opositor Carlos Paparoni foi derrubado no chão por um canhão de água disparado de um caminhão, precisando receber pontos na cabeça, disse Olivares.

O Ministério da Informação não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

(Por Corina Pons)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters