Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Staffan de Mistura chega para conversas sobre Síria em Genebra 31/3/2017 REUTERS/Salvatore Di Nolfi/Divulgação

(reuters_tickers)

GENEBRA (Reuters) - Negociadores do governo da Síria e da oposição trocaram insultos nesta sexta-feira, se chamando de “terroristas” e “adolescentes”, após uma rodada de oito dias de conversas de paz em Genebra.

Os dois lados não se encontraram, mas negociaram através do mediador da Organização das Nações Unidas Staffan de Mistura, deixando os insultos para as câmeras de TV após cada encontro com ele.

O negociador da oposição Nasr al-Hariri disse que o “regime terrorista” do presidente Bashar al-Assad se recusou a discutir transição política durante as conversas e disse que Assad é um criminoso de guerra que deve renunciar em nome da paz.

“Eles estão somente discutindo suas retóricas vazias sobre combate ao terrorismo”, disse Hariri a repórteres, prometendo que não pode haver “paz sem justiça”.

“Crimes de guerra e crimes contra a humanidade não devem ser uma opção para negociações. A partir de agora, caminhos devem ser encontrados para justiça transicional para garantir que os perpetradores sejam responsáveis”, disse.

Hariri disse estar buscando por um parceiro de negociações que coloque os interesses do povo sírio em primeiro lugar, enquanto seu opositor, o negociador-chefe do governo, Bashar al Ja’afari, afirmou querer somente negociar com alguém “patriótico”.

Ja’afari chamou a delegação opositora de “adolescentes” que pensam que estão aparecendo em um programa de talentos na TV como “Arab Idol” ou “The Voice” e estão sob a ilusão de que o governo simplesmente irá entrega-los o país.

(Por Tom Miles e Stephanie Nebehay)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters