Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeiras da União Europeia e do Reino Unido vistas em Londres 9/09/2017 REUTERS/Tolga Akmen

(reuters_tickers)

Por Kylie MacLellan e Elizabeth Piper

LONDRES (Reuters) - O Parlamento britânico aprovou em segundo turno a legislação para cortar os laços do Reino Unido com a União Europeia, na madrugada desta terça-feira, em uma vitória para a primeira-ministra Theresa May, que agora enfrenta demandas de parlamentares por concessões antes que a proposta se torne lei.

Após mais de 13 horas de discursos a favor e contra a legislação, que May diz ser essencial para o Brexit, mas que críticos descrevem como uma tentativa do governo conservador de aumentar seu poder, parlamentares aprovaram a legislação por 326 a 290, levando o projeto para a próxima fase do longo processo.

Muitos foram influenciados pelo governo, que disse que uma votação contra a legislação forçaria o Reino Unido a uma saída caótica da União Europeia, em vez de uma separação tranquila, já que o país não teria leis e uma estrutura regulatória para conduzir o processo.

May, enfraquecida pela perda de sua maioria parlamentar em uma eleição em junho, agora enfrenta uma batalha contra políticos que querem forçar a inclusão de emendas na lei, primeiro na câmara baixa do Parlamento e depois na câmara alta do Reino Unido, ainda não eleita.

"O Parlamento tomou uma decisão histórica de apoiar a vontade da população britânica e votar por uma lei que dá certeza e clareza antes de nossa saída da União Europeia", disse May, em comunicado, após a votação.

"Embora haja mais a ser feito, essa decisão quer dizer que nós podemos avançar com as negociações com fundações sólidas, e nós continuamos a encorajar parlamentares de todas as partes do Reino Unido a trabalharem juntos em apoio a essa peça vital de legislação".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters