Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos Anthony Kennedy em Washington. 01/06/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por Lawrence Hurley e Andrew Chung

WASHINGTON (Reuters) - Ativistas liberais dos Estados Unidos estão exortando o juiz conservador da Suprema Corte Anthony Kennedy a descartar a aposentadoria, temendo que o presidente Donald Trump o substitua por um jurista mais à direita.

A campanha "Fica Kennedy" dos liberais democratas reflete o quão impotentes estes se tornaram contra o presidente republicano quando se trata das vagas abertas na alta corte a partir de abril, quando o Senado reduziu de 60 para 51 o número de votos necessários para confirmar uma indicação à Suprema Corte.

Também mostra quão altas se tornaram as apostas para os dois lados no tocante a qualquer decisão que Kennedy, que faz 81 anos em julho, tome sobre seu futuro no tribunal. Se ele se aposentasse, Trump teria uma oportunidade histórica de imprimir uma postura mais conservadora à corte, possivelmente por décadas.

Alguns ex-funcionários de Kennedy disseram que ele está cogitando a aposentadoria. Ele não quis falar de seus planos, apesar dos pedidos de muitos veículos de notícias, inclusive a Reuters.

Neste momento, Kennedy "é o homem mais importante da América. Ele é o voto de Minerva na corte nos casos mais importantes que chegam a ela", disse Elizabeth Wydra, presidente do Centro Constitucional de Prestação de Contas, um centro de estudos de inclinação à esquerda.

Indicado pelo presidente republicano Ronald Reagan em 1987 para uma vaga vitalícia no tribunal, Kennedy tem sido responsável por votos de desempate cruciais há mais de uma década.

Na maioria dos temas, como financiamento de campanha e direitos religiosos, ele tem votado alinhado a colegas conservadores. Ele também votou com a minoria derrotada num processo que buscava o fim da Lei de Saúde Acessível de 2010, conhecida popularmente como Obamacare, mas se alinhou aos quatro juízes liberais da corte quanto aos direitos dos gays e de aborto.

Se ele continuar no posto, o equilíbrio ideológico duradouro da Suprema Corte será preservado. Se sair, Trump poderia substituí-lo por alguém mais à direita, dando aos conservadores uma maioria robusta de cinco votos.

Wydra e outros liberais estão exaltando Kennedy e seu legado na mídia. Alguns estão procurando ex-funcionários do juiz e outras pessoas que o conhecem e lhes pedindo que o incentivem a não se aposentar, disse Michele Jawando, assessora legal do centro de estudos Centro para o Progresso Americano, de Washington.

Desde que tomou posse, em janeiro, a única grande vitória legislativa que Trump obteve foi conseguir que o Senado confirmasse seu indicado à Suprema Corte, Neil Gorsuch, um ex-funcionário de Kennedy.

(Reportagem adicional de Julia Edwards Ainsley, em Washington)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters