Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Hospital da Universidade Emory, em Atlanta, no EUA, onde o médico Kent Brantly ficou internado em tratamento para Ebola. 02/08/2014 REUTERS/Tami Chappell

(reuters_tickers)

ABIDJAN (Reuters) - Um médico norte-americano que contraiu Ebola de pacientes que tinham o vírus na Libéria recebeu alta de um hospital nos Estados Unidos após ser submetido a tratamento com um medicamento experimental, informou a instituição de caridade da qual ele faz parte.

Kent Brantly recebeu o medicamento ZMapp, usado em alguns poucos pacientes no surto de Ebola na África Ocidental e produzido pela Mapp Biopharmaceutical, empresa com sede nos Estados Unidos. A Mapp diz que o estoque da droga está esgotado.

"Estou maravilhado com o espírito corajoso do dr. Brantly enquanto ele lutou contra esse vírus horrível com a ajuda de uma equipe muito competente e atenciosa no hospital da Universidade Emory", disse o presidente da Samaritan's Purse, Franklin Graham, em comunicado.

A Organização Mundial de Saúde informou na quarta-feira que 2.473 pessoas foram infectados e 1.350 morreram desde a identificação do surto de Ebola em regiões remotas no sudeste da Guiné em março.

A OMS disse que nenhum caso da doença foi confirmado fora de Guiné, Serra Leoa, Libéria e Nigéria --países afetados pelo surto-- apesar de suspeitas terem surgido em outros lugares.

Uma autoridade de saúde do Togo disse nesta quinta-feira que dois casos suspeitos, incluindo um velejador das Filipinas, foram examinados em busca do vírus.

Três médicos africanos, também tratados com o ZMapp na Libéria, demonstraram notáveis sinais de melhora, disse o ministro da Informação da Libéria, Lewis Brown, à Reuters na terça-feira.

(Reportagem de Joe Bavier)

Reuters