Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vigília por vítimas de incêndio em abrigo na Guatemala 8/3/2017 REUTERS/Saul Martinez

(reuters_tickers)

Por Sofia Menchu

CIDADE DA GUATEMALA (Reuters) - Mais oito meninas morreram devido a queimaduras sofridas durante um incêndio em um abrigo para vítimas de abuso infantil superlotado na Guatemala, elevando o saldo de mortes para 30, em uma tragédia que médicos descreveram nesta quinta-feira como cenas de pesadelo diante da gravidade dos ferimentos de mais de 20 pessoas que permanecem internadas.

"Faço isso a 29 anos. O que eu vi ontem foi uma cena dantesca", disse Juan Antonio Villeda, diretor do hospital San Juan de Dios, onde 17 pacientes com queimaduras extremamente sérias de primeiro e segundo graus receberam tratamento.

O incêndio aconteceu na quarta-feira, quando algumas moradoras do abrigo atearam fogo em colchões na sequência de uma tentativa de fuga da instituição governamental para jovens de até 18 anos Virgen de Asunción, localizada em San José Pinula, 25 quilômetros a sudoeste da Cidade da Guatemala.

As autoridades estão investigando se as chamas foram iniciadas por um grupo que havia sido isolado após a tentativa de fuga na noite de terça-feira.

A Guatemala sofre com alguns dos maiores índices de desnutrição infantil da América Latina e com muitas gangues de rua, como a Mara Salvatrucha, que muitas vezes se aproveitam de menores de idade. As instituições públicas do país da América Central são frequentemente mal cuidadas e superlotadas.

De acordo com os médicos, 24 vítimas do incêndio no abrigo permanecem internadas em estado grave.

"Em meus 13 anos de carreira eu nunca tinha visto feridas assim. É uma tragédia", disse Carlos Soto, diretor do hospital Roosevelt, descrevendo queimaduras severas em pulmões, gargantas e na pele. 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters