Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Christian Shepherd

SHENYANG, China (Reuters) - O ganhador do Prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo pode ser transferido para o exterior com segurança para tratamento e quer ir para a Alemanha ou para os Estados Unidos, mas isso precisa acontecer em breve, disseram dois médicos estrangeiros que o visitaram neste domingo.

Liu, 61, foi preso por 11 anos em 2009 por "incitar a subversão ao poder estatal", após ajudar a escrever uma petição conhecida como "Carta 08", pedindo por amplas reformas políticas.

Recentemente ele foi transferido da prisão a um hospital na cidade de Shenyang para tratar um câncer de fígado avançado.

No sábado, dois médicos dos Estados Unidos e Alemanha visitaram Liu para avaliar sua condição e consultar sobre seu tratamento, após serem convidados pelo hospital.

"Liu Xiaobo e sua família pediram que o restante de seu tratamento seja realizado na Alemanha ou nos Estados Unidos", disse Joseph M. Herman, do Centro de Câncer do MD Anderson, da Universidade do Texas, e Markus Buechler, da Universidade de Heidelberg, em comunicado conjunto.

"Embora um grau de risco sempre exista na transferência de qualquer paciente, ambos os médicos acreditam que o Sr. Liu pode ser transportado com segurança, com cuidados e suporte da transferência médica apropriada. No entanto, a transferência médica teria que ocorrer o mais rápido possível."

Os médicos reconheceram a qualidade dos cuidados que ele recebeu e disseram concordar com o diagnóstico de câncer de fígado.

"Os médicos recomendaram que o sr. Liu receba cuidados de suporte paliativos. Podem existir opções adicionais, incluindo procedimentos de intervenção e radioterapia", disseram.

A Universidade de Heidelberg e o MD Anderson concordaram em aceitar Liu para tratamento e ambos estão preparados para oferecê-lo o melhor cuidado possível, disseram.

O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente ao pedido de comentário sobre se seria permitido que Liu deixasse o país.

Reuters