Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson (ao centro), observa o secretário de Segurança Interna, John Kelly, cumprimentar o ministro de Relações Exteriores do México, Luis Videgaray (a direita) 23/02/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

Por Alexandra Alper e Noe Torres

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Autoridades mexicanas expressaram "preocupação e irritação" com as políticas dos Estados Unidos durante visita, nesta quinta-feira, de dois importantes enviados do presidente Donald Trump, que, por sua vez, procuraram esfriar os ânimos depois de semanas de tensão entre os países vizinhos.

"Existe entre os mexicanos preocupação e irritação sobre o que são vistas como políticas que podem ser prejudiciais para o interesse nacional e para os mexicanos aqui e no exterior", disse o ministro de Relações Exteriores, Luis Videgaray em entrevista coletiva.

As declarações foram dadas após conversações na capital mexicana com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, e o chefe da Segurança Interna, John Kelly.

Olhando com cara de poucos amigos estando ao lado dos visitantes dos EUA, Videgaray disse que é "um momento complexo" para as relações EUA-México, que têm descido ladeira abaixo rapidamente desde que Donald Trump foi eleito presidente em novembro passado.

O governo dos EUA irritou o México nesta semana afirmando que planeja deportar muitos imigrantes ilegais para o México se eles entrarem no país vindos de território mexicano, independentemente de sua nacionalidade.

    As novas diretrizes imigratórias de Washington são a causa mais recente de tensão entre os dois vizinhos, que também estão em atrito devido à promessa de Trump de construir um muro na fronteira e de suas tentativas de intimidar o México para que faça concessões na arena comercial.

Videgaray e o presidente Enrique Peña Nieto têm sido criticados internamente por estarem dispostos demais a se relacionar com Trump, que tem repetidamente acentuado a tensão entre os dois países antes de importantes encontros.

Ambos os lados na quinta-feira prometeram mais diálogo sobre questões de migração, comércio e segurança enfrentadas pelos dois países. Kelly e Tillerson foram muito mais comedidos em suas palavras do que os mexicanos ou Trump, que na quinta-feira disse que uma operação militar estava sendo realizada para limpar os Estados Unidos dos "caras maus".

Kelly disse que não haveria "uso de força militar em operações de imigração" e "não, repito, não" haveria deportações em massa.

Nem Tillerson nem Kelly fizeram referências diretas à deportação de imigrantes de outros países para o México, ou ao pagamento do muro de fronteira planejado por Trump, uma questão de sinal vermelho para o México.

    (Reportagem adicional de Gabriel Stargardter, Christine Murray, Adriana Barrera e David Alire Garcia)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters