Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes bloqueiam entrada de posto da estatal mexicana Pemex com pneus queimados em San Miguel Totolcingo. 03/01/2017 REUTERS/Edgard Garrido

(reuters_tickers)

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O México registrou uma série de protestos e atos de vandalismo na quarta-feira, resultando em 250 pessoas detidas e na morte de um policial, dias após o governo ter determinado um aumento no preço da gasolina. 

O Ministério da Fazenda mexicano anunciou no fim de dezembro altas de 14 a 20 por cento no preço do combustível.

A insatisfação contra esta medida resultou em bloqueios a rodovias e postos de gasolina, em obstruções de centros de abastecimento de combustível, em furto de gasolina, em atos de vandalismo e até em roubo de lojas de departamentos. 

“Tratam-se de atos à margem da lei que nada têm a ver com uma manifestação pacífica”, disse em uma mensagem à imprensa o subsecretário de governo, René Juárez. “Fazemos um firme pedido para que se evite atos de vandalismo e violência, que não beneficiam ninguém”, acrescentou.

A Associação Nacional de Lojas de Departamento disse que estes atos provocaram o fechamento de 170 estabelecimentos, o saque de 79 lojas e problemas de distribuição de mercadorias, principalmente nos Estados no centro do país.

A entidade não especificou a hora em que estes atos aconteceram.

Representantes da petroleira estatal Pemex também disseram que os bloqueios às ruas que dão acesso a alguns terminais de armazenamento de combustível ocasionaram em problemas de desabastecimento, e que o problema poderia prejudicar o fornecimento de combustível de aviação.

“Em Chihuahua, o terminal segue fechado e, em Baixa Califórnia (ambos Estados no norte do país) já começou o problema de abastecimento, alguns postos de gasolina estão com nível crítico de combustível”, disse em uma entrevista no rádio o diretor-geral da Pemex, José Antonio González.

A Secretaria de Governo disse que grande parte do problema foi registrado no centro do país, em Estados Estado do México e Hidalgo. 

No caso da Cidade do México, tumultos provocaram a morte de um policial, segundo a imprensa local. Também houve ataques a 23 lojas, dezenas de roubos e até mesmo convocações para mais ataques, disse em uma entrevista televisionada o chefe de governo, Miguel Ángel Mancera.

(Reportagem de Lizbeth Díaz e Alex Alper)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters